VOCÊ JÁ TEVE UMA EXPERIÊNCIA DE PICO NA CORRIDA?

10 de julho de 2017   /   byDebs  / Categories :  Coaching Esportivo, Corrida, Maratona, Provas

“Certa vez, numa cozinha, um gato observava um passarinho. Ele está alerta, mas  não se esforça, apenas caminha em direção ao passarinho, só observando. Ele não pensa na hora de dar o bote. A mente dele está silenciosa e concentrada na presa. Nenhum pensamento passa pela mente do gato, nenhum julgamento. Quando o pássaro voa, ele salta e intercepta seu jantar. Essa foi uma ação inconsciente, executada com perfeição. Nenhum elogio. Só a recompensa de ter o pássaro na boca.”

Agora, vamos trazer isso pra corrida: quando você acha que temos essa espontaneidade do gato?

Os grandes resultados na nossa vida só aparecem quando a mente esta tranquila e silenciosa. Esses momentos são conhecidos como experiências de pico, segundo a psicologia humanista do Dr Maslow. Quando ele pesquisou características comuns de pessoas que vivenciaram experiências desse tipo, ele reportou o seguinte: “Ele sente corpo e mente mais integrados, sente-se único, é uma experiência sem ego porque a mente esta tranquila, está no ritmo certo, sem esforço exaustivo, livre de bloqueios, medos, inibições, é o aqui e o agora que importa.”

Tente se lembrar de experiências de pico que você tenha tido. É muito provável que você concorde com essas frases. Durante uma experiência dessas, a mente não age como uma entidade separada, dando instruções sobre o que você deve fazer e julgando o que você fez. Ela fica quieta e a corrida flui.

Correr uma prova inteira em experiência de pico, ou flow, é o que todo corredor busca. Nada de diálogos internos, nada de brigas entre você e você mesmo, apenas você e a corrida.

Passei por duas experiências de pico na minha vida inteira como corredora. Então percebam que não é algo fácil de atingir.

Uma delas, foi na Athenas, em abril desse ano, numa prova de 12km. Estava bem preparada física e mentalmente, confiante, prestando atenção apenas à minha respiração. Tinha uma estratégia bem definida e sabia que só precisava olhar no relógio a cada 4km ( pois dividi a prova em 3 x 4km). Treinei muito para perceber a velocidade através da respiração, então não tinha externo que pudesse tirar meu foco aquele dia.

Fiz a prova inteira completamente em transe. Transe este que só acabou a 500m da chegada, quando vi meu treinador gritando feito doido pra eu apertar a velocidade!

E aí entra e resposta para a pergunta que fiz no começo: a nossa espontaneidade, como a do gato, entra em ação em momentos como a chegada, no fim da prova.

Nessa hora, a adrenalina e a vontade de chegar para coroar um objetivo, fazem com que tenhamos a ação antes de planejar, e isso tira a nossa capacidade de raciocinar. E aí, o melhor pace aparece, a melhor técnica, a passada fica perfeita. Por que? Porque você não pensa! E o fato de não pensar e sair tudo perfeito por exemplo, no fim de uma prova, faz com que as pessoas achem que isso é sorte. Mas não é.

Como  explicar depois de correr 20 km, fazer o melhor km da sua prova no final? Não podemos creditar isso à sorte. Isso se deve à repetição de execuções bem sucedidas nos treinos. Quando você repete uma coisa e fica bom nela, o que acontece com a sua confiança? Ela aumenta! Para qualquer coisa na vida!

Então em resumo: pra aumentar a eficácia da corrida, é preciso acalmar a mente e ter foco em uma coisa só. E silenciar a mente significa evitar pensar, calcular, julgar, ter medo… A mente tranquila, quando está no aqui e no agora  provoca uma unidade entre as duas “pessoas” que brigam dentro de você durante uma prova ou um treino mais desafiador.

E o objetivo de trabalhar a mente (tanto na Conversa de Coaching quanto no processo de Coaching Esportivo) para a corrida é aumentar a frequência e a duração desses momentos, até que um dia, você consiga fazer uma prova inteira nesse estado!

Bons km’s!!

 

 

0 comments

Leave a reply

Blog antigo