“Lute com determinação, abrace a vida com paixão, perca com classe e vença com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante” (Charles Chaplin)

E eis que eu finalmente posso dizer: sou meia-maratonista!

Meu filhote nasceu em forma de uma linda medalha e o alcance do meu grande objetivo que era os 21km.

No sábado pré-prova fomos retirar os kits e já deu um super frio na barriga, pois foi a hora em que a minha ficha realmente caiu de que o tão esperado dia havia chegado. Atendimento e estrutura excelentes, super organizado e dei sorte de chegar em um momento que não havia filas, então o atendimento foi super rápido. Encontrei alguns amigos, conhecidos e todos com frio na barriga! O resto do dia ao invés de ficar descansando de pernas para o ar, resolvi fazer coisas diferentes para tirar o foco da prova e não ficar contando os minutos. Eu já estava super ansiosa…

Um belo prato de massa para o jantar, banho e antes de dormir ganhei uma caixinha linda, cheia de fotos, memórias e mensagens lindas de incentivo de um monte de gente legal, família, amigos virtuais e reais! Tão especial!

Chegamos cedo ao Jockey e comecei a encontrar os colegas de assessoria, treinador, amigos, todos muito felizes e ansioso. Quando pisquei já estava na hora de me preparar para ir para a largada. Durante a prova tive ao meu lado o Gui e a Thais de apoio, para que eu não desistisse de forma alguma.

Quem me viu na largada nem imaginava a pilha que eu tava…rs..super ansiosa!

Largamos e os primeiros 10k foram até tranquilos, focada, fui curtindo, brincando, encontrando conhecidos, recebendo incentivos e incentivando quem eu ia passando. Ao fechar os 10k as pernas começaram a pesar e eu sentia muita sede. Já tinha tomado o gel e fui segurando enquanto dava. Lá pelo 12k, já na USP, passamos por uma reta eterna (Raia) e eu achei que ela não acabaria nunca. O sol já estava alto, o calor tava pegando e a emoção era muita que comecei a sentir falta de ar, minha garganta travava e era impossível respirar. Era muita emoção envolvida. Muita. E assim foram os quilômetros até o final. Eu não olhei no Garmin em momento algum para saber quanto kms faltavam ou quanto tempo já tinha passado. Finalizei a prova em 2h45, cansada, esgotada mentalmente, mas feliz! Feliz porque eu conclui mais um ciclo, feliz por tudo o que alcancei, por tudo o que plantei e ainda mais feliz por tudo o que venho colhendo.

A Thais que cruzou o pórtico de chegada não foi a mesma que cruzou o pórtico de largada.

Essa prova eu corri com o coração e com a cabeça. Eu passei 21km amassando no asfalto medos, inseguranças do passado, exorcizando monstros e deixando para trás todos eles. Eu como corredora tenho muito a aprender e esse sofrimento momentâneo me lembrou mais uma vez de como gosto de correr e como me faz bem. Definitivamente não será agora que deixarei isso de lado.

Há uma diferença gritante entre provas de 10k e provas de 21k, que vão além dos 11k a mais. É uma prova onde os corredores estão muito mais focados, o desgaste do corpo é bem grande e para quem ainda passará por sua primeira meia maratona, saiba que será muito diferente de um treino de 21k. E comprovei o que ouvi de pessoas mais experientes, é uma distancia deliciosa!

O pós prova até que foi bastante tranquilo, lógico que dores acontecem, mas em menor intensidade quanto eu achei que seriam e curiosamente as minhas maiores dores foram nos ombros, tanto que brinquei que parecia que eu tinha corrido plantando bananeira! Essas dores foram resultado da tensão carregada não só na prova mas nos últimos meses.

“Você nunca vai saber o verdadeiro valor de um momento até que se torne uma lembrança”

Precisei de um tempo para pensar e tirar todas as conclusões desse período e acho que o melhor “nome” para o que sinto é GRATIDÃO. Pela minha saúde, pela minha família que sempre me apoiou em tudo, por ter tido a clareza mental de tomar as rédeas e resolver mudar de vida, passando a me cuidar, por todas as oportunidades, pelas pessoas que conheci, por aqueles que resolveram acompanhar e participar da minha história, por quem acreditou em mim, até pelas escolhas erradas que fiz. Por tudo o que aprendi. Foi a somatória disso que me fez chegar até aqui.

Obrigada às Pinkcheeks, Blog da Debs, CM Team, Vivian Bogus, Mizuno e Meias CEP por acreditarem em mim! De coração <3!

Obrigada a cada um de vocês pelo apoio em todos os momentos. Foi um prazer dividir minha história com vocês, espero que tenham gostado e minha luta continua!

Agora Renatinha, arrasa no “rumoaos42km”!